Bombeiros de SC são os primeiros do país a contar com câmara hiperbárica

0
45
Foto: Divulgação

O Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) é o primeiro do país a contar com uma câmara hiperbárica móvel. Por estar montado dentro de um contêiner, o equipamento pode ser transportado até o local da ocorrência para prestar socorro a vítimas de incêndios e de acidentes de mergulho. A inovação, fabricada em Sorocaba (SP) e avaliada em R$ 691 mil, foi adquirida com recursos do Pacto por Santa Catarina.

Segundo o tenente-coronel Helton de Souza Zeferino, cinco soldados já foram preparados para operar a câmara nas situações relacionadas a salvamentos aquáticos e atuarão como multiplicadores, ou seja, irão dividir os conhecimentos com os colegas. O treinamento em medicina hiperbárica para os demais casos ainda será ministrado. Nessa modalidade terapêutica, o paciente respira oxigênio 100% puro enquanto é submetido a uma pressão de duas a três vezes superior à atmosférica ao nível do mar.

– Sob essas condições, o oxigênio ajuda no tratamento de intoxicações pela aspiração excessiva de monóxido de carbono, na cicatrização de feridas complexas, como queimaduras, e no combate a infecções, entre outras aplicações – explica o militar, que também é médico.

O equipamento do CBMSC tem formato cilíndrico e ocupa praticamente um contêiner inteiro. Vazio, pesa três toneladas – 400 quilos só para a porta. É composto por duas câmaras, uma menor e a principal, com capacidade para uso simultâneo de quatro pessoas. Com máscaras especiais, que dispõem de sistema de microfonia, os usuários recebem oxigênio em níveis adequados para o restabelecimento físico em um ambiente com temperatura e pressão reguláveis.

Do lado de fora, a equipe de saúde monitora o estado do paciente por meio de câmeras e comunicação verbal. Todos os controles são automatizados. Três escotilhas permitem o contato visual do que acontece no interior. Há, inclusive, a possibilidade de atendimento com uso de maca, proporcionando uma recuperação mais rápida em casos de politraumatismo, por exemplo.

– Em um incêndio como o ocorrido em 2013 na boate Kiss, em Santa Maria (RS), se  houvesse uma câmara hiperbárica aumentaria consideravelmente as chances de sobrevida, tanto de vítimas quanto de bombeiros – diz Severino.

O equipamento é imprescindível para corporações que lidam com atividades de mergulho, atesta o tenente-coronel. A opção pelo sistema móvel amplia as finalidades da aquisição: seja em qual lugar for necessária, basta acoplá-la a um caminhão para que acompanhe os bombeiros. Atualmente, de acordo com ele, há uma única câmara hiperbárica de Florianópolis, na maternidade Carlos Corrêa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here