Maioria das cidades de SC que podem deixar de existir ficam no Oeste e têm IDH alto

0
93

Entre as várias medidas apresentadas pelo governo federal nesta terça-feira (5) no pacote de mudanças econômicas e administrativas do ministro Paulo Guedes, sem dúvida uma das mais polêmicas está no novo modelo de pacto federativo, que estabelece critérios para a extinção de municípios com menos de 5 mil habitantes e com uma receita própria que não chegue a 10% do total da receita recebida. As cidades nesse cenário seriam incorporadas por municípios vizinhos com melhor situação financeira. As medidas ainda precisam da aprovação do Congresso.

Conforme um levantamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE) de Santa Catarina feito em 2017 e atualizado em 2019, 39 cidades do Estado se encaixariam nos parâmetros do governo e poderiam ser incorporadas por municípios vizinhos. Na época do estudo, 105 cidades catarinenses tinham menos e 5 mil habitantes.

Na lista das 39 cidades em risco, a maioria está localizada no Oeste de Santa Catarina. Como Santiago do Sul, o menor município catarinense, que segundo a estimativa populacional do IBGE em 2019 tem apenas 1260 habitantes. Antigamente um distrito da cidade de Quilombo (que atualmente tem 9,8 mil moradores), Santiago do Sul foi elevada ao status de cidade em 1994 — uma época em que várias novas cidades surgiram em Santa Catarina.

Depois do Oeste, que domina a lista com 30 das 39 cidades em risco, a região Serrana seria a segunda a perder mais cidades: quatro. O Norte de SC é a única região sem cidades na lista do levantamento do TCE.

Cidades possuem IDH considerado alto

Fora das finanças do município que embasam a proposta do governo federal, os resultados de desenvolvimento humano das cidades em risco são considerados altos e ficam perto da média de Santa Catarina.

Conforme o mapa feito pelo NSC Total com base em dados do IBGE, das 39 cidades apontadas no levantamento, 32 têm IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) entre 0,700 e 0,799, considerado alto. O índice leva em consideração a saúde, educação e renda da população.

Municípios de SC com menos de 5 mil habitantes e com receita própria inferior a 10% da receita total, segundo levantamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE-SC), autuado em março deste ano:
Cidade População % receitas próprias
Águas Frias 2397 2,5%
Atalanta 3268 1,4%
Bandeirante 2779 4,8%
Barra Bonita 1764 9,2%
Bom Jardim da Serra 4663 2,4%
Bom Jesus do Oeste 2153 6,8%
Cordilheira Alta 4253 8,0%
Coronel Martins 2541 7,9%
Cunhataí 1949 4,9%
Ermo 2077 6,2%
Flor do Sertão 1597 8,3%
Frei Rogério 2474 9,3%
Guatambu 4736 4,2%
Ibiam 1968 6,2%
Ibicaré 3290 8,7%
Iraceminha 4103 9,1%
Irati 2004 9,8%
Jaborá 4006 7,6%
Jardinópolis 1649 7,3%
Lacerdópolis 2249 1,9%
Lajeado Grande 1461 4,0%
Lindóia do Sul 4630 8,5%
Marema 1952 4,6%
Morro Grande 2918 6,9%
Nova Itaberaba 4339 9,8%
Paraíso 3688 2,9%
Peritiba 2880 1,7%
Presidente Castello Branco 1630 9,2%
Presidente Nereu 2306 6,6%
Princesa 2891 7,4%
Rio Rufino 2487 9,3%
Santa Helena 2288 7,5%
Santiago do Sul 1341 5,8%
São Bernardino 2496 8,5%
São Bonifácio 2922 06,0%
São Miguel da Boa Vista 1860 3,5%
Tigrinhos 1707 9,0%
Urupema 2492 9,2%
Vargem Bonita 4635 5,1%

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here