Secretário de Saúde diz que vai subir o tom: “o momento é de aceleração da curva”

0
81
Foto: Divulgação

Cobrado por uma postura mais ativa na gestão regionalizada da pandemia – inclusive pelo Ministério Público – o Governo de Santa Catarina pretende subir o tom. Pelo menos, no que diz respeito aos alertas à população sobre o agravamento do cenário no Estado.

O secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, disse que os catarinenses baixaram a guarda e precisam entender que há uma aceleração dos casos. O recado é de que, mesmo com as reaberturas, as regras de distanciamento social precisavam ter se mantido. André Motta disse que esse alerta será feito pelo Estado de forma mais clara:

– O momento é de aceleração da curva – ressaltou o secretário, que também confirmou que deve vir a público para “remontar o cenário”.

Os baixos índices de isolamento social, mesmo com o estrangulamento do sistema de saúde em algumas regiões do Estado, apontam que passou da hora do governo voltar a assumir protagonismo nessas ações de enfrentamento, que demandam liderança.

Com as prefeituras, no entanto, a postura do Estado deve seguir mais elástica. Embora o governo tenha discutido no fim de semana, em reunião que contou com presença remota do governador Carlos Moisés (PSL), as novas medidas restritivas em âmbito estadual, a Secretaria da Saúde ainda aguarda os movimentos que os prefeitos farão esta semana pra definir se toma uma posição mais enérgica.

O secretário diz que o Estado não pode “impor”, mas que os prefeitos “podem e devem” tomar ações mais restritivas em determinadas situações. Nesta segunda, o secretário acompanhará reunião da Associação dos Municípios da Foz do Itajaí-Açu (Amfri). Na terça será a vez da Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaí (Amvi).

A situação preocupa especialmente na Foz, que está há três semanas em nível gravíssimo de risco, de acordo com a classificação do Estado. O sistema hospitalar está sobrecarregado, e o número de óbitos é o maior de Santa Catarina. Mesmo assim, as ações de enfrentamento ainda parecem pouco efetivas, com baixa adesão da população.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here