1º Enem digital da história tem falhas técnicas e abstenção de 68%

0
70

A primeira experiência de um Enem digital, que tem prazo de 5 anos para atingir 100% dos estudantes, teve menos de 30 mil participantes e problemas técnicos que deixaram candidatos sem prova em alguns locais. A abstenção foi de 68% entre os 96 mil candidatos confirmados.

O Enem digital registrou problemas como:

Uma espera de 2 horas para o início da prova para candidatos de Belo Horizonte. Um dos alunos deixou o exame porque disse que começou a passar mal.

Estudantes foram dispensados após erro no sistema em Taguatinga, no Distrito Federal.
No Tocantins, dificuldades técnicas foram registradas e alunos foram mandados para casa.
No Amapá, um dos locais de prova teve problemas no prédio e foi interditado.

“Tivemos alguns problemas, mas todo processo inédito está sujeito a obstáculos”, disse o presidente da autarquia, Alexandre Lopes. Sobre o alto número de abstenções, declarou que é “em função da pandemia”. O segundo dia de provas da edição digital acontecerá no próximo domingo (7).

Sobre a “experiência do usuário” nesse primeiro digital, candidatos disseram achar a plataforma simples de manejar, mas houve críticas sobre o tempo de tela para quem tem problemas de visão.

Candidato no Distrito Federal, Hian Lucas Mesquita Dourado, de 18 anos, reclamou da falta de informação após seu local de prova enfrentar uma falha técnica.

“Basicamente, chegamos lá e esperamos a prova ser liberada. Depois de duas horas, informaram que não conseguiríamos fazer a avaliação e nos passaram um número de telefone para tentar reagendar o exame”, disse ele, um dos afetados pelo problema no sistema em Taguatinga (DF).

“Ficamos na torcida, esperando acontecer algo e, quando houve, mandaram a gente embora”, lamentou Hian, que é morador de Ceilândia.

Mais cedo, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, comentou as falhas no sistema e citou uma sobrecarga. “Ainda não tenho todos os relatos de problemas, mas isso iria acontecer por causa de sobrecarga do sistema.”

Ele também disse que os candidatos que enfrentaram essas dificuldades poderão fazer o exame nos dias 23 e 24 de fevereiro. Nessas mesmas datas serão aplicadas as provas digitais no Amazonas, estado que também suspendeu a aplicação da versão impressa em razão do agravamento da pandemia, e do Amapá, que teve problemas na estrutura do local de prova.

Há a opção de fazer o exame digital do próximo domingo e pedir reaplicação de apenas um dia. Os pedidos de reaplicação serão recebidos na Página do Participante entre os dias 8 e 12 de fevereiro.

Especialistas em educação ouvidos afirmam que obstáculos precisarão ser superados para que o Enem digital seja aplicado para os mais de 5,5 milhões de estudantes que fazem a versão impressa. O Inep afirmou que o objetivo é tornar o Enem 100% digital até 2026.

As provas da versão digital já foram divulgadas no site do Inep. O tema da redação foi desigualdade social entre regiões brasileiras.

Outros números do primeiro domingo de Enem digital:

70 candidatos eliminados (não foram especificados os motivos)
104 municípios realizaram o exame
foram 1.028 locais de prova

Camilo Mussi, diretor de tecnologia do Inep, ressaltou a grande quantidade de informação que o exame digital agora oferece: “Você tem o horário exato que cada participante começou ou terminou a prova. O tempo de pausa. Sabe em tempo real quem foi eliminado. São diversas informações”.

Neste ano, serão três versões diferentes do Enem:

impressa, em 17 e 24 de janeiro;
impressa, em 23 e 24 de fevereiro, na reaplicação do exame (para candidatos do Amazonas, por exemplo, onde a prova foi adiada; privados de liberdade; afetados por problemas logísticos, como falta de luz no local de prova; e pessoas com doenças infectocontagiosas);
digital, em 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here